domingo, 21 de dezembro de 2014

Cambono


"Sem Cambono não tem trabalho"


Frase de impacto, não é?
Então, começo com uma pergunta a você, cambono:

"Você tem noção da importância da sua função nos trabalhos?"


O Cambono é um médium do terreiro que tem tanta importância quanto o restante da corrente. Seu papel é essencial ao bom desenvolvimento de todos os trabalhos, tendo a missão de auxiliar as entidades que chegam para trabalhar.

Um Cambono não é necessariamente aquele que não incorpora, podendo desenvolver a sua mediunidade a qualquer instante, desde que seja de sua vontade. Em muitas casas, os médiuns que participam das Giras de Desenvolvimento Mediúnico, nas Giras normais atuam como Cambonos.

Assim como o médium de incorporação, o Cambono deve passar por um processo de desenvolvimento e adaptação as responsabilidades que terá durante o trabalho e que irá desempenhar durante as Giras. 

O Cambono se torna responsável por receber os Consulentes de maneira empática, encaminhá-los as entidades e prestar atenção durante o atendimento, esclarecendo  as possíveis dúvidas, anotando banhos e tratamentos, de maneira ágil e legível, mantendo toda e qualquer confidência sobre o que foi dito. Além de desempenhar todas essas atividades, o Cambono deve manter sua firmeza e participar dos trabalhos, cantando os pontos. Isso é necessário, pois mantém elevada a energia do trabalho e a sua própria, já que, as entidades as utilizam para cumprir com seus trabalhos.

É importante, acima de tudo, que o Cambono tenha uma boa sintonia com o médium e com as entidades com quem trabalha, conhecendo seus trejeitos, seu material de trabalho, suas bebidas e fumos, deixando tudo organizado para melhor atendê-los.

Por lidar diretamente com as energias e fazer parte da corrente, o Cambono também deverá seguir todos os rituais ou preceitos ensinados pela Casa, por exemplo, firmar o anjo de guarda, tomar seus banhos de defesa, manter uma alimentação balanceada, entre outras coisas, para que assim esteja numa boa sintonia com sua função, ajudando a manter o padrão energético elevado.

O Cambono deve ser disciplinado, pontual, concentrado e, além disso, ser interessado, buscando estudar e conhecer os aspectos espirituais, conhecer os regimentos da Casa e participar de todos os eventos externos, ou seja, participar de todo o quadro doutrinário do terreiro, para evoluir espiritualmente e merecer a função.

Por estar em contato bem próximo com a entidade, é importante o cambono ter noção do elo espiritual que se forma, com o passar do tempo, com as entidades que auxilia, conquistando a confiança de toda a espiritualidade. Por isso, não se deve esquecer do compromisso que assumiu, evitando faltar aos trabalhos por qualquer motivo.

Após o término dos trabalhos, além de auxiliar os médiuns durante a gira, no momento da incorporação e na chegada da entidade, o Cambono deve estar pronto para o auxilio do médium na desincorporação, não podendo esquecer de recolher todo o material de trabalho utilizado, deixando o local limpo.

Apesar de muitos os julgarem com uma "simples" função, os Cambonos guardam consigo o segredo do andamento de todo o trabalho, tornando as consultas possíveis, facilitando a comunicação entre entidade e consulente.

Talvez, quem um dia já tenha tido essa função, nunca mais se esqueça, pois além de estudar e participar arduamente dos trabalhos, aprende na prática sobre humildade, caridade e amor, sobre amar o próximo e ajudá-lo sem querer nada em troca. Entende o que é a confiança e vivencia coisas jamais imagináveis. 

Se você é novo nisso, eu posso te dizer com toda a certeza, que em breve entenderá o que eu falo...

"Ser médium Cambono é ter o prazer de servir com humildade 
e ter as bençãos de aprender a cada trabalho. 
É ter a proteção e o carinho das entidades que servimos
e uma relação de parceria e confiança com os médiuns que ajudamos. 
É derramar lágrimas de emoção e bater cabeça diante da imensidão de uma entidade.
É sentir simplicidade ao receber um colo de Preto Velho,
conforto ao receber um abraço de um Caboclo,
a maresia a cada cumprimento de um Marujo,
força a cada laçada de um Boiadeiro,
doçura a cada "benção tia" de uma Criança,
alegria ao dançar com um Baiano ou com uma Pombo Gira,
travessura a cada chegada do Mirim
e proteção a cada conselho de Exú.
É aprender com eles tudo o que for possível sempre 
e sentir que nunca mais estará sozinho."

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Bater Cabeça

Você sabe o que é o ato de Bater Cabeça na Umbanda?
Para mim é com certeza uma das coisas mais lindas que podemos ver. 


Talvez seja a parte da ritualística umbandista cuja simbologia esteja no inconsciente coletivo da humanidade desde o princípio dos tempos.

O ato de levar a cabeça ao solo é encontrado, praticamente, em todas as religiões e foi trazido para alguns protocolos do mundano tendo em vista que em muitas sociedades os seus soberanos eram tidos como representantes terrenos da divindade.

Seu significado pode ser interpretado como (reconhecimento da) submissão do ser humano diante da onipotência da deidade, muitas vezes representada através de fenômenos da Natureza. Ou seja, a aceitação de nossas limitações diante daquilo que não podemos controlar. Trata-se, portanto, de um sinal de respeito e de entrega.

Também pode ser entendido como representação de humildade, bem como uma forma de agradecimento.

Pode-se, então, dizer que na Umbanda bater cabeça significa respeito pelos, orixás, guias e entidades, e ainda nas figuras dos sacerdotes e sacerdotisas ou mais velhos na religião.

Fonte: http://www.centroespiritaurubatan.com.br/curiosidades/curiosidades-sobre-umbanda.html