terça-feira, 3 de março de 2015

Humildade e Sabedoria: Os Pretos Velhos

As histórias dos nossos amados Pretos-Velhos começa lá em um Brasil distante.


A escravidão reinava pelo mundo, por toda a Europa principalmente. Os negros africanos foram levados para diversas colônias espalhadas principalmente nas Américas. No Brasil os escravos negros chegavam ao Recife e Salvador, nos séculos XVI e XVII, e ao Rio de Janeiro, no século XVIII. Os primeiros grupos a chegar a essas regiões foram os bantos; cabindos; sudaneses; iorubás; geges; hauçá; minas e malês.

Arrancados da sua terra de origem, uma vida amarga e penosa esperava por esses homens e mulheres na colônia: trabalho de sol a sol nas grandes fazendas de açúcar. Tanto esforço, que um africano durava, em média, de sete a dez anos. Em troca do seu trabalho, os negros recebiam três "pês": Pau, Pano e Pão. 

Em seus cultos, os escravos resistiam, simbolicamente, à dominação. A "macumba" era, e ainda é, um ritual de liberdade, protesto e reação à opressão. As rezas, batucadas, danças e cantos eram maneiras de aliviar a asfixia da escravidão. A resistência também acontecia na fuga das fazendas e na formação dos quilombos, onde os negros tentaram reconstituir sua vida africana.  

A Legião de espíritos chamados "Pretos-Velhos" foi formada no Brasil, devido a esse torpe comércio do tráfico de escravos arrebanhados da África. Estes negros, aos poucos, conseguiram envelhecer e constituir, mesmo que de maneira precária, uma união representativa da língua, culto aos Orixás e aos antepassados e tornaram-se um elemento de referência para os mais novos, refletindo os velhos costumes da Mãe África. 

Após suas mortes, voltaram. A sua missão não estava ainda cumprida. Precisavam de evoluir gradualmente no plano espiritual. Muitos ainda, usando o seu linguajar característico, praticando os sagrados rituais do culto,  manifestaram-se em indivíduos previamente selecionados de acordo com a sua ascendência (linhagem), costumes, tradições e cultura. 


Eles representam a humildade, força de vontade, a resignação, a sabedoria, o amor e a caridade. São um ponto de referência para todos aqueles que necessitam: curam, ensinam, educam pessoas e espíritos sem luz. Não têm raiva ou ódio pelas humilhações, atrocidades e torturas a que foram submetidos no passado. Com os seus cachimbos, falam pausadamente e são muito  tranquilos nos gestos. Eles escutam e ajudam todos os que necessitam, independentes de sua cor, idade, sexo e de religião. 

Não se pode dizer que são todos Pretos Velhos da escravidão. Pois, no processo cíclico da reencarnação passaram por muitas vidas anteriores foram: negros escravos, filósofos, médicos, ricos, pobres, iluminados, e outros. Mas, para ajudar aqueles que necessitam, escolheram ou foram escolhidos para voltar à Terra em forma incorporada de Preto-Velho. São símbolos destas duas virtudes humanas: a humildade e a sabedoria.

Suas mirongas são poderosas. Através do singelo oferecimento do café ou do vinho, os pretos velhos magnetizam a bebida com elementos para a cura e alívio dos filhos de fé. Também se utilizam as rezas e os benzimentos, na maioria das vezes, utilizam a fumaça do cachimbo para limpar a aura dos filhos de fé. Ao fumarem seus cachimbos veiculam com a fumaça fortes vibrações que limpam a Aura, desagregando as vibrações negativas que poderiam trazer doenças e sérias perturbações aos filhos de fé.


Sua forma de incorporação é compacta, sem dançar ou pular muito. A vibração começa com um "peso" nas costas e uma inclinação de tronco para frente, e os pés fixados ao chão. Só se movimentam quando incorporam para as saudações necessárias e depois sentam-se e praticam a sua caridade.

No dia 13 de Maio relembramos a Abolição da Escravatura e comemoramos na Umbanda o "Dia do Preto Velho"



Oração aos Pretos Velhos



Preto Velho
Carreteiro de Oxalá
Bastão bendito de Zâmbi
Mensageiro de Obatalá
Meu pensamento eleva-se ao teu espírito e peço Agô.
Que tuas guias sejam o farol que norteia a minha vida,
Que vossa pemba trace o caminho certo para todos os meus atos,
Que vossas palavras, tão cheias de compreensão e bondade, iluminem a minha mente e o meu coração,
Que o teu cajado me ampare em meus tropeços.
Ontem te curvastes aos senhores…
Hoje, ajoelho-me aos teus pés pedindo que intercedas junto a Oxalá por mim e por todos que neste momento clamam por vós.
Maleme e paz sobre o meu lar e que a luz divina de Obatalá se estenda pelo mundo,
E que o grito de todos os orixás sejam o sinal de vitória sobre todas as demandas de minha vida.
Maleme as almas.
Maleme para todos os meus inimigos, para que saiam do negrume da vingança
E encontrem fonte fecunda e clara do amor e caridade.
Adorei as Almas!

2 comentários:

  1. Lindo post....Parabéns. nada como a sabedoria de um preto velho.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada por sua leitura!!
    Eles realmente possuem uma sabedoria extraordinária e uma humildade e simplicidade admirável... Muito Axé!!

    ResponderExcluir