segunda-feira, 22 de agosto de 2016

7 Verdades Umbandistas

Existem 07 coisas que você só descobre depois de se tornar Umbandista:

1- Usar branco não é fácil.

Pode parecer que é fácil, mas não é. Essa cor traz uma responsabilidade enorme.

Você terá que aprender a vigiar seus atos, zelar pelo seu espiritual e entender que há irmãos que precisam, naquele momento, mais do que você. Então, você trocará festas, shows, amigos, bebidas e um dia de descanso, para se doar algumas horas para uma pessoa que você nunca viu e provavelmente nunca mais vai ver, mas posso te garantir, vale a pena.

2- Você é um médium 24 horas por dia e não só no terreiro.

Não adianta você se enganar dizendo que é médium só no terreiro porque você não é. A mediunidade faz parte de você, sempre fez, e isso não vai mudar.

Aos poucos você vai descobrir que a espiritualidade não é culpada pela sua colheita. Eles te mostram um caminho, mas você tem um livre arbítrio e realiza as suas próprias escolhas. Você planta, você colhe.

3- As entidades não estão ali de brincadeira.

Nenhuma entidade esta ali de brincadeira. Todas elas, sem exceção, estão ali para trabalhar, ensinar e também aprender, por isso, ouça-os com atenção e trate-os com muito carinho e respeito.

4- Exú é uma entidade de Lei.

Você vai entender que Exú não esta ali para brincar, beber, fumar, dar em cima de alguém ou amarrar uma pessoa. Não, eles não são assim.

Exús e Pombo Giras são entidades que trabalham nos planos inferiores sob a Lei do Pai Maior, São eles que nos protegem na entrada, na saída e nas encruzilhadas dessa vida. 
Alguns são brincalhões outros mais firmes, mas todos carregam consigo a seriedade em seu trabalho, se utilizando somente da energia da bebida e do fumo, nada mais. E se for preciso Exú trabalhar sem a bebida ou o fumo, ele trabalhará, sem dúvidas.

5- É preciso ajudar e não só participar.

Ser médium e fazer parte de um terreiro não é só chegar no dia da Gira e fazer seu trabalho. Não, não é assim. O chão que você encontrou limpo, alguém limpou. A vela que você usou, alguém comprou. O banho que você tomou, alguém macerou. O local que você esta, a luz que você utiliza e a água que você bebe, alguém pagou. Então, ajude...

Ajude a limpar quando puder, leve o seu material de trabalho e, toda vez que possível, auxilie na compra daquilo que falta na Casa, colabore com o que conseguir para a manutenção do aluguel, da água e da luz.
Não, isso não é a sua obrigação, eu sei, mas também não é minha e muito menos do Dirigente que ali se encontra. A obrigação é nossa. Nós temos que manter e cuidar do lugar onde nossa espiritualidade escolheu para trabalhar.

6- Cansa.

Isso eu preciso te falar: Irmão, cansa.

Existe um antes, um durante e um depois. Vou explicar:

ANTES de todo e qualquer trabalho, o terreiro precisa ser limpo da maneira correta e as firmezas precisam ser devidamente cuidadas.

Você precisará se alimentar corretamente, tomar seu banho de defesa, acender suas velas e se direcionar ao terrreiro algumas horas antes do inicio dos trabalhos para ajudar, tentando permanecer sempre em silêncio.

DURANTE todo e qualquer trabalho, você estará fornecendo e recebendo energia, então, é importante que o processo do ANTES tenha sido cumprido com rigor.

Se você for médium de passe lidará diretamente com energias. Se você for cambono, também lidará diretamente com energias, por isso, em todos os casos e cargos, é importante manter a firmeza.

DEPOIS de todo e qualquer trabalho, é preciso deixar o ambiente limpo de novo, então, pegue a vassoura, a pá, a esponja e mãos a obra.

Dia seguinte você com certeza estará com o corpo dolorido, entretanto, digo mais uma vez: vale a pena.

7 - Você vai se apaixonar.

Independentemente dos 6 itens acima, você vai se apaixonar.

Seja você um cambono, um médium de passe, um médium em desenvolvimento, um futuro sacerdote ou um simples consulente, esteja você na corrente ou na assistência, você vai se apaixonar por essa religião e nada, NADA, vai pagar a sensação de paz que vai te invadir.

Então, você esta esperando o que? Apaixone-se você também.



quarta-feira, 17 de agosto de 2016

O Abismo Pessoal: Ego, Vaidade e Inveja

Hoje vou contar uma história para vocês:
Uma pessoa resolve assumir um compromisso com a sua espiritualidade e entrar para a corrente de um terreiro que frequenta a meses. Essa pessoa é muito dedicada e esta sempre disposta a ajudar, mas, por ora, se perde no verdadeiro significado da religião. 
Se perde no mais profundo abismo do Ego, da Vaidade e da Inveja. Triste, não é? Mas real.
Esses sentimentos, irmãos, são capazes de acabar com tudo e todos, com o mais caridoso trabalho e com o mais bonito dos seres. E, de repente, o que era para ser um lugar de amor, caridade, simplicidade e humildade, se torna um lugar repleto de ódio, achismos, ciúmes e competições pessoais. Não, eu infelizmente não estou mentindo e exagerando.
Começa assim: o melhor tecido, a melhor roupa, a quantidade de fios, a vela mais cara, e como se já não estivesse a beira do precipício, o indivíduo começa a ter pensamentos como "Por que aquele irmão que tem o mais surrado dos panos e usa somente um fio de Oxalá, tem mais função que eu aqui dentro?". Irmão, se você chegou a esse ponto, pare. Pare agora e repense... 
Quando foi dito que era preciso estar bem vestido para praticar a caridade? Quando foi dito que era preciso uma dúzia de fios para mostrar a força dos que te guardam? Quando foi dito que assim você conquistaria um cargo? Quando foi dito que desse modo você ganharia atenção? Quando?
Tudo é merecimento, irmão. Em um chão sagrado não existe competição. Não existe tecido mais fino ou pano mais bonito, todos tem a mesma função. Não existe vela cara, barata, mais ou menos colorida, garanto que todas terão o mesmo resultado, assim como não existe pessoa, entidade e cargo mais ou menos importante, porque todos, TODOS, tem sua importância e são essenciais, a sua forma, para que o trabalho aconteça.
Para o espiritual, o que verdadeiramente importa é a fé que se tem, a energia que se deposita a cada trabalho, o amor, o respeito, o carinho e a vontade de fazer o bem. 
Então, tenha cuidado. Repense suas atitudes, reveja seus pensamentos e não caia no mais profundo dos abismos, colocando tudo a perder.


terça-feira, 9 de agosto de 2016

Silêncio

Sabemos que os dias que distanciam as Giras podem ser totalmente torturosos para muitos médiuns, assim como sabemos que, os mesmos, passam os dias ansiando pela data, cantando pontos e mentalizando seus guias. Em dia de trabalho, a grande maioria se preocupa em sair cedo de casa, tomar seu banho e acender sua vela, porém, ao chegar ao terreiro e encontrar aquele irmão com quem se tem afinidade - nessa matéria iremos chamá-lo de "irmão amigo" - não consegue conter-se e vai correndo contar para ele sua semana.

Então, começamos essa matéria com uma pergunta a você:

"Irmão, do que adiantou sua ansiedade, seus cantos e suas mentalizações se, ao chegar ao Templo, você não se preocupou com a preparação do ambiente?"

Com certeza não é só você, médium, que se preparou a semana toda para este dia de trabalho. Existe uma espiritualidade dentro da Casa que você frequenta, que trabalha dia e noite para mantê-la em pé, e que prepara esse ambiente, para atender espiritualmente todos os irmãos necessitados. Tenhamos como exemplo os Guardiões, eles trabalham e vigiam constantemente os terreiros, visando afastar forças negativas que possam prejudicar os trabalhos e influenciar os médiuns de alguma forma. Assim, conseguimos perceber que um Templo não tem uma preparação momentânea e sim diária.

Já o médium, antes de qualquer trabalho, deve realizar sua preparação de maneira correta para equilibrar suas energias. É fundamental o cuidado com a vela do anjo de guarda e pelo menos um dia antes, manter uma alimentação leve, evitar a ingestão de álcool ou outras drogas, que possam levar a um desequilíbrio psíquico e energético, e não esquecer de, no dia, tomar o clássico banho de defesa. 

Entretanto, de nada adianta o médium seguir rigorosamente a preparação, chegar mais cedo, limpar o chão do Templo, a tronqueira e acender as velas, se sua conduta dentro da Casa que frequenta não for correta, respeitando o ambiente já preparado e, sejamos sinceros, somos extremamente falhos quanto a essa nossa parte da preparação.

"Estejamos inteiros naquilo que estivemos fazendo. 
Somente assim, seremos capazes de aproveitar integralmente nosso tempo"

Sem dúvidas, sempre vai existir aquela vontade de compartilhar com seu "irmão amigo" sua semana, de contar a ele as novidades, seus problemas ou até mesmo de falar daquela pessoa que você não simpatiza, mas, esse não é o momento e muito menos o local para isso. Convenhamos que esse tipo de conversa da margem a fofocas e intrigas e, por isso, é importante separar amizade e parentescos do seu ambiente espiritual. Não confunda o que aquilo representa ou quem vocês são ali dentro, com o que aqui fora, deixem esses papos desnecessários para depois porque, essas conversas, podem ser fontes de tumultos, agitações e desarmonia. 

Para entender como as conversas podem influenciar nos ambientes espirituais, desenvolvemos uma situação hipótese que acontece em muitos terreiros:

Imagine que você chega ao terreiro, senta e começa a conversar. A conversa esta muito boa, porém, vocês acabam se empolgando, exaltando a voz e dando risadas, imaginou?
Agora, imagine que do outro lado do salão, especificamente na cozinha, tem um irmão de santo fazendo as comidas, imaginou? Então, continue imaginando, só que agora no outro extremo do salão, especificamente na tronqueira. Imagine que há outro irmão limpando e cuidando das firmezas e que, no Congá, seu Dirigente esta acendendo as velas, imaginou?
Estamos quase lá, agora só falta você imaginar que, em todo esse ambiente, as entidades, mesmo ainda não incorporadas, já começam a atuar sob os médiuns, imaginou?

Essas, irmãos, são situações que acontecem todos os dias na maioria dos terreiros, em diferentes lugares, e, em todas essas situações - TODAS - as risadas, o barulho e as conversas desnecessárias, atordoam e tiram a concentração dos irmãos encarnados e desencarnados ali presentes.

Observem como uma simples conversa pode desequelibrar todo um ambiente e como, essa mesma conversa que a seu ver parece simples, pode trazer a tona sentimentos (amargura, raiva...) e preocupações condizentes com a realidade em que se vive, fazendo com que seu próprio padrão vibratório caia. Vitória número um. Espíritos inferiores começam a agir e influenciar esses indivíduos - isso é descrito em diversos livros. 
A partir daqui, passamos a ser responsáveis, junto aos espíritos mais elevados e os Guardiões, pela sustentação enegética da Casa. Temos certeza que você não sabia que carregava essa responsabilidade também, não é?

Ao chegar ao terreiro é preciso desligar-se mental e emocinalmente dos problemas e das preocupações terrenas, para assim adaptar-se a energia daquele ambiente já preparado pela espiritualidade. Por isso, prefira o silêncio ao barulho, busque sentir as energias que ali existem, relaxe o máximo que puder, tente contato com a sua espiritualidade e garantimos que, dessa maneira, você irá sentir a presença deles mais intensamente.

Sua mente, antes ocupada com os problemas do dia a dia, passará a ser ocupada por pensamentos e mentalizações positivas, facilitando a sintonização com as entidades e a firmeza durante os trabalhos, não dando espaço para as energias negativas.

Então, pedimos gentilmente que você avalie tudo o que foi escrito nesse texto, reflita e procure compreender que o silêncio também traz respostas, sendo que, às vezes, pode ser a mais poderosa oração e a mais poderosa fonte de ajuda.

Mantenha-se o mais concentrado o possível nos dias de trabalho e, seja qual for o caso ou o seu cargo, fale somente o necessário, auxilie somente quando for solicitado e lembre-se: 

"O silêncio é uma prece"
Ore e colabore.